quinta-feira, 11 de agosto de 2016

[Vício em pornografia virtual] _ #VÍDEO 02

Estamos fazendo uma série de vídeos sobre os males do vício em pornografia e como lidar com isso! Esse é o vídeo 02 O Método Definitivo para parar com o Vício em Pornografia, desde uma perspectiva Científica, em apenas 90 dias. CLIQUE NO LINK http://zip.net/bktqKW

Como vencer vicio em pornografia # Video 01

São inúmeros os pedidos de ajuda em relação á como vencer o vício em pornografia virtual! Te muitas pessoas pedindo ajuda. Por isso, decidi fazer uma série com 30 vídeos sobre o tema. Deixo abaixo o link de um material que também estou utilizando para gravar os vídeos.

O Método Definitivo para parar com o Vício em Pornografia, desde uma perspectiva Científica, em apenas 90 dias.
CLIQUE NO LINK 
http://zip.net/bktqKW


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

As consequências do excesso de pornografia virtual



A pornografia vem crescendo na internet. Atualmente, 12% dos sites acessados são de conteúdo pornográfico. Uma recente pesquisa feita pela revista americana Cosmopolitan revelou que 40 milhões de americanos visitam sites pornográficos regularmente, dos quais 70% têm entre 18 e 34 anos e veem pornografia pelo menos uma vez por mês. A média de idade estimada para o primeiro contato com a pornografia virtual é de 11 anos.

O abuso da pornografia tem mais a ver com uma questão psicológica do que moral. Terapêutas alertam que o aumento da pornografia na internet está diretamente ligado ao aumento de pessoas viciadas em pornografia. Em uma pesquisa recente, 94% dos terapeutas disseram ter percebido um aumento no número de pessoas viciadas em pornografia. Toda uma geração foi afetada pela pornografia na internet, que se tornou educação sexual. Ao que tudo indica, a próxima também será. A situação fez com que o abuso de pornografia entrasse para o manual de doença mentais dos EUA como “Distúrbio Hipersexual”.

Inúmeros estudos associam a pornografia a uma atitude negativa em relação à intimidade, e imagens neurológicas confirmam isso. Susan Fiske, professora de psicologia na Universidade de Princeton, usou exames de ressonância magnética em 2010 para analisar homens enquanto assistiam filmes pornô. A atividade do cérebro revelou que esses homens passavam a olhar para mulheres mais como objetos do que como pessoas depois de assistirem filmes pornô compulsivamente.

Plasticidade do cérebro

Pornografia pode ser prejudicial ao cérebro, diz estudo

Homens que passam muito tempo vendo pornografia na internet parecem ter menos matéria cinzenta em certas partes do cérebro e sofrem redução de sua atividade cerebral, revelou um estudo alemão publicado nesta quinta-feira nos Estados Unidos.

"Encontramos um importante vínculo negativo entre o ato de ver pornografia durante várias horas por semana e o volume de matéria cinzenta no lóbulo direito do cérebro", assim como a atividade do córtex pré-frontal, escrevem os cientistas do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano em Berlim.

"Estes efeitos poderiam incluir mudanças na plasticidade neuronal resultante de intensa estimulação no centro do prazer", acrescentou o estudo, publicado na edição online da revista "Psychiatry", da Associação Médica Americana.

Como Parar De Assistir Pornografia No Seu Computador


Caso esteja procurando maneiras de parar de assistir pornografia em seu computador, é possível que você sofra de um vício que é danoso para sua saúde física e mental, que também toma muito de seu tempo útil. Se você quiser aprender a aproveitar a vida e parar de ser um obcecado em pornografia, continue lendo para obter algumas dicas para se recuperar.
Parte 1 de 3: Descobrindo se Você Tem um Problema.
1
Admita que você passa muito tempo assistindo pornografia. Antes de você poder parar de assistir pornografia em seu computador, será preciso admitir que essa atividade está tomando muito de seu tempo, tendo um efeito negativo em seu bem-estar físico e emocional. [1]
  • Apenas você pode saber se está exagerando, pois não há um número objetivo de horas ou de vezes na semana que sinalize “Vício”. Aprender a reconhecer os sinais de aviso e usá-los de acordo com seu próprio julgamento é importante.
2
Reconheça que você não consegue parar. Pode ser quase impossível para uma pessoa normal parar de assistir pornografia bem no meio de uma cena quente; porém, caso você acorde pela manhã determinado a não assistir pornografia e não conseguir passar o dia (ou talvez algumas horas) sem ela, admita o vício. Querer parar e não conseguir fazê-lo é um problema.
3
Preste atenção em seu planejamento. A situação é séria caso você se pegue pensando em pornografia durante uma aula, um trabalho ou até mesmo num passeio com os amigos ou se você costumar se planejar para assisti-la. É normal pensar em pornografia ocasionalmente; porém, há um problema em mãos quando você está sempre pensando nela quando não está perto de um computador.
  • Sua mente já associou tecnologia ao computador caso você busque material pornográfico sempre que liga seu computador pessoal, ou se tiver vontade de assisti-la num computador público na biblioteca (ou na casa de um amigo). Isso significa que você precisará aprender a diferenciar os dois enquanto aprende a se curar.
4
Avalie seu relacionamento. Seus relacionamentos pessoais estão sofrendo por conta de sua relação com a pornografia? Seu vício se tornou um problema caso você tenha problemas na cama por ficar excitado apenas ao assistir pornografia, ou se não desejar sair com sua paquera por preferir ficar em casa buscando material pornô.
  • Lembre-se de que seu vício em pornografia pode ser um sinal de um problema maior em sua vida, como depressão ou vício em sexo.
5
Escreva todos os motivos pelos quais você quer largar o vício. Em vez de apenas tentar a largar a pornografia por achar que ela é constrangedora ou socialmente inaceitável, busque pelos efeitos adversos que o pornô causou em sua vida. Pense sobre como parar essa atividade pode melhorar sua situação. Aqui estão alguns ótimos motivos para parar de assistir pornografia.
  • Porque você quer voltar a ter relacionamentos saudáveis e amorosos com seus amigos, namorados/namoradas e familiares.
  • Porque você quer conseguir viver no momento, e não na tela do computador.
  • Porque você não quer ser um escravo de seus vícios.
  • Porque você está perdendo o sono, se esquecendo de comer e se sentindo mal.
  • Porque você sente que perdeu seu respeito próprio, sua dignidade e seu controle sobre a própria vida.
Fonte:http://pt.wikihow.com/

sábado, 2 de maio de 2015

Geralmente não enxergamos as coisas como elas são, mas como nós somos

Neste vídeo eu estou falando sobre relacionamentos em geral. Para essa reflexão, eu busquei como base, a fala de um antigo poeta que dizia algo do tipo: “nós não enxergamos as coisas como elas são, nós as enxergamos como nós somos.”

Ou seja, nossa percepção em relação á tudo e todos que estão á nossa volta, é quase sempre pautada pelas categorias que são fundamentadas em nosso próprio caráter. Nossa motivação interior é a lente pela qual enxergamos o mundo.

Por exemplo: aqueles que são acostumados com traições, mentiras, lamúrias, ingratidão, corrupção e implicações deste tipo, têm uma tendência natural em ver essas coisas em todos que os circundam, não sabendo discernir quando não é assim.


Em uma carta direcionada á Tito, Paulo dos Apóstolos escreve uma frase que reforça esse conceito, ele diz, “para os puros, tudo é puro, para os impuros tudo é impuro, pois suas mentes e consciências estão corrompidas”.

Ou seja, não tem como ser diferente; alguém que esteja abarrotado de impurezas emocionais, não tem condições de lidar com nada que seja puro, pois, provavelmente vai usar como julgamento, os critérios que correspondem as suas únicas referências possíveis, que são as condições inferiores enraizadas em si mesmo.

Veja o vídeo

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Depressão materna pode começar antes mesmo de dar à luz



Um grande estudo documentou vínculos inesperados no período e na severidade dos sintomas da depressão materna, podendo auxiliar mães e médicos a melhor antecipá-la e a tratar o problema.

A pesquisa constatou que nas pacientes com sintomas mais severos – pensamentos suicidas, pânico, choro frequente –, a depressão geralmente começava durante a gravidez, não após o parto, como se costuma pensar.

Em geral, mulheres com depressão moderada desenvolveram os sintomas após darem à luz e, com maior probabilidade do que as com depressão severa, tiveram complicações durante a gravidez, tais como pré-eclâmpsia, diabetes gestacional ou hipertensão.

As mulheres com depressão severa, no entanto, relataram que tiveram complicações com maior frequência durante o trabalho de parto.